BRASÍLIA/DF – A preocupação com os efeitos da Medida Provisória 873, em vigor desde 1º de março, levou o vice-presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Enilson Simões de Moura, o conhecido “Alemão”, até Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), de 2003 a 2012, e presidente daquela Corte e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em 2012. O encon...
Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT) participou, na tarde desta terça-feira (12/03) de um encontro com Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados. Na audiência, que contou com a presença de representantes de diversas entidades sindicais, Ricardo Patah ressaltou o perigo que aprovação da Medida Provisória 873 representa para a democracia brasileira. “Esta medida tem o claro objetivo de extinguir sindicatos”, disse o líder ugetista. “O Brasil é um país continental com um povo maravilhoso, mas são ...
Considerando a Previdência como parte do sistema de seguridade social, não há déficit, mas o contrário. O total de recursos que a União arrecada para custear toda a seguridade social é superior aos gastos. O verdadeiro cálculo, que considera todas as receitas e despesas do Sistema de Seguridade Social (formado pela Saúde, Assistência e Previdência Social) aponta que no ano de 2014, por exemplo, o superavit atingiu mais de R$ 53 bilhões. Em 2015, sobraram mais R$ 11 bilhões. Tais recursos, no entanto, vêm sendo empregados para outros fins, como o pagamento da dívida...


Vice da UGT desqualifica MP 873 como inconstitucional
SÃO PAULO/SP – A edição da Medida Provisória 873, que acaba com a possibilidade de desconto em folha das contribuições sindicais pagas pelos trabalhadores, segue repercutindo negativamente. A discordância parte de Enilson Simões de Moura, vice-presidente nacional da União Geral dos Trabalhadores (UGT), cuja opinião contraria a iniciativa do governo. “Alemão”, como é conhecido, acha inaceitável que o presidente da república desconsidere os preceitos constitucionais que asseguram o princípio da liberdade e autonomia sindical e o direito de organização dos trabalhadores. A MP dificulta o financiamento das entidades de clas...

NOTA DAS CENTRAIS SINDICAIS SOBRE A EDIÇÃO DA MP 873
A edição da MP 873 pelo presidente Bolsonaro é um grave ataque contra o princípio da liberdade e autonomia sindical e o direito de organização dos trabalhadores, dificultando o financiamento das entidades de classe, no momento em que cresce no seio da classe trabalhadora e do conjunto da sociedade a resistência ao corte de direitos de aposentadoria e previdenciários em marcha com a apresentação da proposta de Reforma da Previdência que já tramita no Congresso Nacional. As centrais sindicais, os sindicatos, federações e confederações de trabalhadores tomarão todas as medidas de caráter legal e junto ao Congresso Nacional, ...