A reunião do presidente Michel Temer com representantes de três centrais sindicais (UGT, Força Sindical e CTB), realizada no dia 20 de julho, no Palácio do Planalto, não pôs fim às preocupações dos sindicalistas quanto à disposição do governo em regulamentar, via medida provisória, itens da reforma trabalhista, aprovada pelo Senado no dia 11de julho. Embora ten...
Criado em 1995, mas somente instalado no primeiro dia de junho, o Conselho Nacional do Trabalho (CNT) volta a ser reunido no dia 25 de julho, nas dependências do Ministério do Trabalho. Coordenado pelo Ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, o Conselho é um colegiado de natureza consultiva, com participação tripartite de trabalhadores, empresários e governo, cujas decisões servirão de base para a elaboração de políticas públicas de emprego no país. A missão de melhorar as relações trabalhistas está na pauta do CNT, que dever&aacu...
Reunidas nesta quinta-feira (13), as centrais sindicais (CTB, UGT, CUT, Nova Central, CSB e Força Sindical) avaliaram o cenário e os desafios postos com a sanção da chamada Reforma Trabalhista. As centrais sindicais reiteram sua oposição à proposta sancionada pelo presidente Michel Temer. Seu caráter injusto e cruel não só acaba com direitos consagrados, como também impõe à classe trabalhadora a precarização, com jornadas de trabalho de 12 por 36 horas; a exposição das mulheres gestantes e lactantes a ambiente de risco; o traba...


Reforma Trabalhista é sancionada por Temer e agora é lei
As novas regras entrarão em vigor daqui a quatro meses, conforme previsto na nova legislação. O projeto de reforma trabalhista aprovado pelo Congresso Nacional foi sancionado pelo presidente Michel Temer, no dia 13 de julho. A nova legislação altera regras da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e prevê pontos que poderão ser negociados entre empregadores e empregados e, em caso de acordo coletivo, passarão a ter força de lei. As novas regras entrarão em vigor daqui a quatro meses, conforme previsto na nova legislação. Aprovado pela Câmara dos Deputados, em abril, o projeto da reforma Trabalhista foi aprovado pelo Senado...

Nota de repúdio da UGT: Reforma Trabalhista é um desserviço à sociedade
Lamentavelmente, o Senado Federal não cumpriu seu papel de exercer o poder Legislativo amplo como representante dos Estados na questão da Reforma Trabalhista. Ao aprovar o projeto de mudança nas leis trabalhistas, sem fazer qualquer alteração no texto aprovado na Câmara, os Senadores deixaram de legislar para a sociedade brasileira e passaram a atender aos interesses do setor empresarial e do capital especulativo, ficando, literalmente de quatro ao apelo de um Governo que vem prestando um desserviço ao País, ao defender interesses pessoais em detrimento ao interesse maior da Nação. Para a União Geral dos Trabalhadores (UGT), a Reforma Trabalhista é inju...